animacao

Cicaf

*

Você está aqui: HomeInício Vocacional TestemunhosUm testemunho: 25 anos de paixão pela missão!
Publicado em Testemunhos
22 Outubro 2016 Comments (1)
Um testemunho: 25 anos de paixão pela missão!

Com alegria e gratidão partilho a graça de viver 25 anos de paixão pelos pequenos de Argentina e Chile! Essa paixão se faz entrega na missão além-fronteiras de 1992 a 2017.

No ano 1992 havia uma necessidade de acompanhar e animar a periferia da cidade de Bahia Blanca na Argentina.

Foi lançada a pergunta: quem se anima fazer essa experiência? Eu já me havia anotado para ir à África, fui uma das primeiras a anotar-me e como não se deu, decidi tentar fazer essa experiência.

Com medo de não conseguir aprender o espanhol me coloquei aos pés de Jesus quase uma noite! E dizia se Ele está e faz o que eu não posso fazer. Por que temer? Muitas perguntas passavam pela minha cabeça! Então eu disse: Não vou ser covarde! Ponho-me a caminho. Aqui estou!

As Irmãs me enviaram, me deram todo o apoio, parti. Ao chegar senti que era de verdade o que imaginava! ...

Na comunidade havia um curso de horta ditado por Cáritas para as famílias dos bairros periféricos. E me integrei com eles para aprender a falar e aprender a plantar, já que o clima da Argentina é diferente do Brasil. Foi o mais lindo de toda minha vida! Eles estiveram atentos a ensinar-me tanto o idioma quanto a plantar. O professor era um homem muito humano! Tratava a todos com muito carinho! (Lembrei-me do filme Mestre com carinho). No final do ano o povo já entendia o que eu falava.

No período em que estive em Bahia Blanca apoiei Cáritas paroquial em uma das comunidades (Nossa Senhora da Paz – em Villa Nocito) que atendia pequenos projetos nos quatro bairros vizinhos.

Cáritas diocesana me chamou para assumir o atendimento ao público; foi algo que não imaginava tais problemas da humanidade! Muita dor! Havia muitos imigrantes! Chegavam sem documentos e sem estrutura nenhuma!  Acompanhávamos as famílias, buscando um lugar para viver e trabalhar, geralmente no campo, para trabalharem com a plantação de modo particular da cebola. Sempre íamos visita-los, para buscarmos juntos uma melhor qualidade de vida para essas famílias.

Participei dos sete mil lideres de prevenção contra as drogas. Foi uma experiência dura! O projeto seguiu por dois anos, porque havia muita ameaça de morte.

Durante os oito anos em que estive nessa realidade colaborei com as atividades pastorais nas três comunidades (Santa Lucia, San Pablo e N. Sra. Da Paz) e apoio ao centro paroquial.

Formamos um grande grupo de leigos missionários, que com muita alegria dedicavam um final de semana por mês a atender famílias de um setor da comunidade Paroquial, cada mês se visitava um bairro diferente. Chegamos a ser 90 missionários entre crianças, jovens e adultos.

Convidaram-me a Trelew. Depois de alguns meses o Bispo veio nos visitar e fundou a paróquia Nossa Senhora de Guadalupe entregando-a as irmãs. O Bispo me pediu que assumisse toda a responsabilidade da paróquia. Desde a parte administrativa, até os sacramentos: realizando os batismos e os casamentos, enfim atender o povo nas alegrias e na dor.

Em 2003, aceitei trabalhar na Pastoral migratória no Chile que necessitava uma pessoa para acolher, escutar e encaminhar os imigrantes tanto para conseguir um lugar para morar, como acompanhar nos consulados de seus países pedindo a legalização de seus documentos para não serem deportados. Vi outro mundo sem identidade! Sem vida! Abriu-me muitas portas e janelas para a realidade nua do mundo que não se vê ou não nos deixa ver.

Depois de três anos deixei a pastoral migratória. Dediquei-me as atividades pastorais da Paroquia, e acompanhar e animar as CEB’s.

A vicária de Santiago do Chile me convidou a animar e acompanhar as CEB’s de 38 paroquias com mais de 360 comunidades de toda a vicária. Uma vida incrível! Eram as que moviam a missão dos bairros! Muita vida onde as comunidades eram comprometidas.

Voltei à Argentina em 2012 na cidade de Viedma. Outra necessidade crua! Meu Deus que triste! Tudo para iniciar! Nada ver com a vida que vivia! Muita indiferença, o povo só queria sacramentos e nada mais! Perguntava-me meu Deus que queres que eu faça! O Bispo muito integrado nesta realidade! Nos animava dizendo somente é necessário estar presente e deixar que Deus vai apontando o caminho. E assim foi... agora com todas as limitações se conseguiu dar alguns passos.

Estamos acompanhando os agentes da pastoral da saúde, as ministras extraordinárias da comunhão, o animador das atividades pastorais, a catequese familiar, e a preparação para o batismo.

Conseguimos cursos para o mundo do trabalho: eletricidade, tricô, crochê, costura, cozinha (doce e salgada), conservas e telar europeu. Para a saúde temos ginástica para adultos. E para as crianças: apoio escolar (primário secundário), inglês, desenho e pintura.

Desde que cheguei a Viedma participo da pastoral carcerária e organizamos micros empreendimentos para que os presos estejam ocupados, dessa maneira podem ajudar as suas famílias com o que recebem pelo que produzem (artesanato, produtos em madeira como mesas, cadeiras, etc, horta, ovos caipira, criação de frango, etc)

Em cada comunidade vivi experiências marcantes: em Bahia Blanca, derramamento de gás toxica de uma empresa química, Por pouco quase toda a população morria! Deus é Pai levou ao mar a nuvem de gás.

Em Trelew uma inundação por que a barragem rompeu, desceu muita agua na direção da cidade, o rio transbordou! Quase tudo estava inundado, os bombeiros tiveram muito trabalho e muita gente foi solidaria na hora de resgatar quem estava ilhado, o salvamento do povo era feito com bote!

No Chile um terremoto de 8, 4.  Vi o fim da vida de todo o povo de Santiago!

Mas em tudo vi Deus caminhando com a gente. O que manteve viva a minha vida na missão foi a oração e a confiança no Pai misericordioso e em nossa Mãe Maria que sempre estava nos animando, bem como o apoio de todas as irmãs e as comunidades por onde eu passei.

“Entoai ação de graças e cantai um canto novo”, pois o Senhor fez e continua fazendo maravilhas.

Comentários  

#1 Marilete 19-11-2016 21:51
Oi Cláudia , quanto tempo ! Não estou reconhecendo você na foto! Podes me dar uma dica??
Menina, que missão linda. Gostei de acompanhar esta bela experiência de 25 anos de missão.
Parabéns!
Paz e Bem.

Adicionar comentário


sound by Jbgmusic

 

Direção:
Isabel do Rocio Kuss

Ana Pereira Macedo

 Ivonete Gardini

Arte: Lenita Gripa

Congregação das Irmãs Catequistas Franciscanas
Rua Des. Nelson Nunes Guimarães, 346
 Bairro Atiradores - Joinville / SC – Brasil
Fone: (47) 3422 4865