teste-para-lenita1

cicaf

*

Você está aqui: HomeNotíciasDireitos Sociais como base de luta!
Publicado em Notícias
Postado por  Prov. S. Teresa do Menino Jesus 24 Outubro 2017
Direitos Sociais como base de luta!

“Direitos humanos não se pede de joelhos, exige-se de pé”.

Nos dias 21 e 22 de outubro de 2017, na sede provincial, em Rondonópolis - MT realizou-se mais uma etapa da Escola de Formação Política. Esta etapa contou com a participação de 29 pessoas representantes de movimentos sociais, partidos políticos, organizações, igrejas e trabalhadores/as do campo e da cidade. O tema tratado foi “Direitos Sociais como base de Luta”. O palestrante foi o professor e membro da equipe de coordenação da CPT do MT, Cristiano Apolucena Cabral. Sua apresentação em PowerPoint foi acompanhada de explicações, contribuições e debates pelos participantes:

Capitalismo versus Direitos e organização popularO capitalismo se sustenta em duas pilastras: o capital e a força de trabalho. O capital compra a força de trabalho e transforma-o em lucro, mas quem paga a mão de obra é o/a próprio/a trabalhador/a, através do lucro excedente da produção.

O que alimenta a máquina do capitalismo é o consumo, daí a necessidade da propaganda para vender os produtos. O importante é ter, acumular, consumir. Não importa que haja depredação dos recursos naturais; não importa se os/as trabalhadores/as são explorados.

No capitalismo a democracia tem efeito mínimo sobre as desigualdades sociais ou sobre as relações de dominação e de exploração entre o capital e o trabalho. Na sociedade capitalista cidadão é aquele que trabalha, paga imposto e consome para manter o lucro e os aparelhos mantenedores do capital.

O/a trabalhador/a tem que trabalhar com dupla jornada de trabalho para conseguir sobreviver; não pode se organizar em grupos e etnias como os indígenas, quilombolas, assentados; todos estão sendo hoje mais massacrados que no passado; sua formação é negada, pois o/a trabalhador/a sendo formado/a, conscientizado/a vai exigir seus direitos.

No sistema capitalista ter é “sagrado”; o capitalista “ama seus bens sobre todas as coisas” e investe todas as energias para acumular mais. Sem o dinheiro a pessoa não existe; a pessoa é pelo que produz e consome e acaba virando uma máquina dentro do sistema. A ideologia capitalista vai penetrando até nas igrejas, escolas e outras organizações.

O liberalismo é a doutrina do Estado Mínimo que não interfere nas leis do mercado, para favorecer os donos do capital. O governo anterior regulava a economia, no combustível, na alimentação. No estado mínimo atual isso não acontece. Hoje o sistema político está como regulador do Estado Mínimo; os políticos não estão discutindo sobre o bem da sociedade, mas sobre o que é melhor para eles mesmos.

Estado representativo ecidadania - A representação é forma de distanciar o povo da política. A representação não é o exercício do poder político, mas renúncia a este poder, sua transferência a outros, sua alienação.

A seguir, o assessor apresentou três filminhos que mostram a história da luta dos/as trabalhadores/as, das mulheres e dos/as camponeses/as, seguindo-se um debate em grupos sobre a vida do trabalhador hoje; a luta das mulheres; dos camponeses e da juventude. No plenário constatou-se o quanto os participantes estão vivendo essas lutas e são conscientes das lutas e reivindicações de outras categorias.

O assessor ressaltou também a importância de lutar pela identidade. O camponês, o quilombola, o negro devem construir sua identidade. Os movimentos sociais são os portadores do projeto popular de sociedade e de educação.

Conclusão – Precisamos hoje superaro desinteresse pela política; assistir a TV Câmara e Senado para saber o que está sendo legislado; participar de debates em busca de propostas para a mudança social; buscar conhecimento, participar das organizações populares; unir, esclarecer, organizar a classe trabalhadora, qualificar a militância, mobilizar o povo e lutar para alcançar seus objetivos. É necessário valorizar a pessoa pelo que é; humanizar nossas relações sociais e com a natureza; preservar e cuidar de todas as formas de VIDA. É necessário conquistar leis e comportamentos que respeitem e garantam os direitos sociais para o povo e a ecologia.

Partilha feita com base no Texto do assessor e apontamentos de Edmar Barbosa da Silva, coordenador da CTP da Diocese de Rondonópolis.

Informações adicionais

  • Fonte da Notícia: Irmã Anita David

Adicionar comentário


 

Direção:
Isabel do Rocio Kuss

Ana Pereira Macedo

 Ivonete Gardini

Arte: Lenita Gripa

Congregação das Irmãs Catequistas Franciscanas
Rua Des. Nelson Nunes Guimarães, 346
 Bairro Atiradores - Joinville / SC – Brasil
Fone: (47) 3422 4865