cicaf

*

Você está aqui: HomeNotícias"O nosso Deus é muito cordial"
Publicado em Notícias
Postado por  Sede Geral - Rosali Paloschi 27 Maio 2019
"O nosso Deus é muito cordial"

Foi o amor cordial do nosso Deus que fez de Liduína Venturi uma História de Amor e Cordialidade!

Havia dado certo a experiência iniciada em 1913 com Amábile Avosani, que atendera ao apelo de Frei Policarpo Schuhen, para suprir as necessidades de educação e Catequese em Aquidaban, hoje Apiúna/SC.

Em 1914, surgiu nova necessidade: substituir os dois professores locais na capela de São Virgilio, em Rodeio 50. Frei Policarpo não teve dúvidas. Lançou novo apelo às moças da Ordem Terceira Franciscana. O convite teve resposta imediata de Maria Avosani, irmã de Amábile.

Liduína Venturi também sentiu forte o apelo em seu coração cordial e generoso, mas a família lhe fez um pouco de resistência. Era uma das últimas filhas, muito ativa nos trabalhos da casa e na lide com os animais domésticos. Além disso, um pouco frágil. Era preciso coragem para enfrentar algo novo. Uma jovem camponesa, tímida, daria conta de dar aulas na vila?

Liduína ouviu a voz de Deus e deixou-se conduzir pela graça. Com muita serenidade e firmeza, superou os receios e obstáculos da família. No dia 24 de junho de 1914, aos vinte anos de idade, apresentou-se a Frei Policarpo. Dias depois, com uma trouxa de roupa debaixo do braço, saiu de casa e foi juntar-se a Maria Avosani, na Casa Menino Deus, das Irmãs da Divina Providência, onde se preparou para a nova missão.

Para quase tudo se ia a pé. Por isso, Liduína aprendeu a fazer longas caminhadas, respirando o ar puro das montanhas e da roça. Aprendeu a viver uma vida simples e austera, que a situação da época exigia. Contudo, foi sempre uma jovem ardorosa e exemplar. Bonita, de olhos vivos e penetrantes. Muito bem humorada. (Fonte de pesquisa: Augusta NEOTTI. Liduína Venturi – Mulher do Sorriso evangelizador. Joinville, 2003).

Muitas de nós tivemos a graça de conhecer Irmã Liduína, com ela conviver e aprender muitas lições de vida.  Seguem alguns depoimentos.

Conheci a Irmã Liduína nos anos de 1956 e 1957, quando eu era juvenista em Rodeio. Ela era uma pessoa sempre alegre, simples e fraterna. Muito trabalhadora e gostava das meninas que a ajudavam a remendar a roupa. Era uma irmã muito fiel e cultivava a espiritualidade franciscana. Muito bondosa, conversava com as juvenistas que trabalhavam com ela e sempre perguntava: “Carina, você foi à missa hoje?” (Irmã Ana Mondini – Casa Mãe, Rodeio/SC).

Eu era criança quando conheci Irmã Liduína. Minha mãe fez promessa de mandar um litro de leite para as irmãs, todos os dias, durante vinte anos. Eu sempre levava o leite e, no fim de semana, a mãe mandava junto uma cuca ou pão feito por ela. Gostava que a Irmã Liduína viesse me atender na entrega do leite, porque ela era sorridente e alegre, e sempre tinha uma moedinha pra me dar. Era gostoso estar com a Irmã Liduína, porque ela dava muita atenção; irradiava ternura e bondade. Foi o autêntico testemunho dela que despertou a minha vocação e ingressei no colégio. (Irmã Miriam Stolf – Casa Mãe, Rodeio/SC).

Lembro de uma frase de Irmã Liduína: “Eu também vou com vocês”. Conheci sua família. Pais católicos praticantes, moradores em Diamantina (Pico), município de Rodeio/SC. Sua mãe era chamada de Santa – um presente de Deus com a família, visitantes e moradores. Família exemplar, de quem Irmã Liduína teve marcas inapagáveis na congregação das Irmãs Catequistas Franciscanas, que se perpetuam por gerações. “A palavra comove e o exemplo arrasta”. Desde criança, depois como jovem e religiosa, via sempre a Irmã Liduína e admirava muito o seu jeito de ser amiga e irmã. (Irmã Ignez Ochner – Casa do Sim, Rodeio 50).

Conheci e convivi com a Irmã Liduína Venturi na Casa Mãe, em Rodeio. Pelos anos de 1960, eu trabalhava na formação de aspirantes e postulantes, um bom grupo de jovens. Irmã Liduína Venturi vivia na fraternidade. Nos longos corredores da Casa Mãe caminhava Irmã Liduína, atenta a tudo e a todos; com braços abertos e largo sorriso com quem encontrava; com palavras de carinho ou uma conversa curta, observando as pessoas, a natureza, a vida, a história e a bondade de Deus Pai sempre presente. Não faltava aquele sopro do Espírito, acompanhado pelo semblante reflexivo. As jovens a estimavam muito. Para mim, um testemunho constante. Muitas vezes solicitava sua ajuda para refletir com as jovens. Ela partilhava textos bíblicos, e sabia envolver o grupo. Vivia e encenava o texto ou aquilo que ensinava acompanhado pelo semblante, voz, gestos, na alegria ou na dor.

Bonito e gostoso era vê-la de braços abertos ou de mãos postas, e às vezes correndo, em direção à Capela ou às pessoas. Sabia tudo o que acontecia na Comunidade. Costumava ir até a estrada falar com quem passava. Na chegada de irmãs ou jovens, alegrava-as com aquela acolhida, correndo ao encontro com abraços e sorrisos. Participava da oração. E como cantava! Irmã Sorriso e sempre presente! (Irmã Clementina Fusinato – Casa do Sim, Rodeio 50).

Irmã Liduína, que abriu caminhos para muitas crianças, jovens e comunidades, nos inspire hoje nos caminhos da missão! Com Amábile e Maria, e todas as irmãs que nos precederam, seja estrela guia na busca de uma nova organização, a serviço do Reino de Deus.

Informações adicionais

  • Fonte da Notícia: Irmã Romilda Graciosa Weinrich

Comentários  

#1 Irmã Eliza Schafaschek 28-05-2019 19:34
Maravilhas o Senhor operou em nossa querida Irmã Liduina. "Alabado seas mi Señor"
Ouvi alguem contar (faz tempo isso): que o povo de Rodeio, quando faltava chuva ia pedir para Irmã Liduina rezar e pedir chuva, que não demorava em cair. O poder da oração que ela cultivava. Irmã Liduina olha para nós, queremos ser missionária como você soube ser em seu tempo. Obrigada.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

 

Direção
Isabel do Rocio Kuss

Ana Cláudia de Carvalho Rocha

Marlene dos Santos

Arte: Lenita Gripa

Congregação das Irmãs Catequistas Franciscanas
Rua Des. Nelson Nunes Guimarães, 346
 Bairro Atiradores - Joinville / SC – Brasil
Fone: (47) 3422 4865