images/cicaf.jpg
Imprimir esta página
Publicado em Notícias
Postado por  Província São Francisco de Assis 22 Junho 2021
Caminho mistagógico de formação

                                               

 Itinerário de Formação, caminho construído em mutirão

É sempre bom e agradável se reencontrar! Iniciamos o seminário da Província São Francisco de Assis sobre o Itinerário de Formação com muita alegria e disposição. Foi nos dias 12 e 13 de junho, das 14:30 às 17:00 horas. A coordenação provincial abriu a sala com bastante antecedência, nos dois dias, pois sabia que estávamos com saudade do reencontro, embora na plataforma digital.

Fomos introduzidas ao seminário através do momento orante, conduzido pelas irmandades de Feira de Santana e Morro do Chapéu – BA. A poesia, Se A Vida me Chamar”, de Irmã Beatriz Catarina Maestri, nos ajudou a rezar e continuar em atitude contemplativa. Registramos uma “pitada de sabedoria” de Beatriz: “Se a vida me chamar, estarei amando e semeando sonhos! Buscando o cuidado da Vida e a irmandade construída! A chama acesa e o coração ardendo de paixão por Jesus Cristo e pelo Reino acontecendo no hoje da história”. 

Como assessora do seminário, contamos com a presença sábia, generosa e agradável de Irmã Marlene Chiudini, vice-ministra geral.

A assessora destacou pontos importantes para a reflexão e concretização do Itinerário de Formação. Citamos alguns:

  • Diante das exigências do contexto cultural de hoje, nossa Forma de Vida indica o que pode nos ajudar na formação: processo integral, permanente e perspectiva mistagógica.
  • Uma pessoa integrada, que assume com responsabilidade o processo formativo na coletividade, é capaz de construir, desconstruir, reconstruir e significar sua realidade na relação com a outra e com o outro, desenvolvendo a autonomia, a solidariedade e a responsabilidade. 
  • Não há método pronto. A compreensão da totalidade da pessoa humana é o fundamento sólido para a concepção ampla e integral do Processo Formativo.,
  • Ficou-nos bem claro a origem da palavra MISTAGOGIA. É uma palavra de origem grega: mist (mystes=mistério) + agogia (eagem = guiar-conduzir): Ação de conduzir, guiar para dentro do Mistério. É sempre um caminho de mão dupla: conduzir e deixar-se conduzir.
  • Diz-nos Irmã Marlene: a palavra mistagogia pode ser um tanto desconhecida para nós, mas o método é muito antigo. Especialmente para nós, francisclareanas, este método deveria ser bem conhecido e praticado. É só olhar para a proposta formativa de Santa Clara, que diz: “A jovem que chega, ouve a Palavra do Evangelho e toma conhecimento do teor de vida que pretende abraçar. Vai participando da convivência, dos diferentes serviços, dos capítulos, onde são tomadas as decisões. Também a que chegou por último deve ser ouvida” (RSC 2,6-7; 4,15-18).
  • O Caminho proposto a cada uma é o próprio Jesus Cristo: “O Filho de Deus fez-se para nós o Caminho” (Test C 5). A introdução nesse grande Mistério é feita no cotidiano. Clara diz a Inês de Praga: “Olhe dentro desse espelho todos os dias” (4In 15).

É um contemplar diário e o olhar que precisa ser cuidadoso... Contemplativo.

Tudo vai acontecendo dentro do mútuo aprendizado.

Eis um programa de espiritualidade mistagógica, que alimenta e dá suporte à nossa Vida-Missão.

  • A formação na perspectiva mistagógica, mais que um ponto de chegada, passa a ser   experiência dinâmica da Fé. Isto supõe aproximação orante da Palavra de Deus, envolvimento comunitário, comunhão com o povo de Deus, contemplação da presença de Deus no mundo e na história, consideração atenta da realidade atual e fortalecimento nas lutas do cotidiano. Exige escuta atenta, silêncio, diálogo, partilha, comunhão, criatividade, dinamicidade, oração, celebração.

A tarde do dia 13 teve início mais cedo, com um bom bate-papo entre as Irmãs, mesmo antes de começar os estudos.

O momento orante, motivado pelo núcleo de Cascavel, trouxe presente o Evangelho do dia, que nos levou a refletir: “Põe a Semente na terra não será em vão...” A oração apelou, também, para a experiência de Francisco de Assis, no encontro com Jesus como um processo Mistagógico.  E Francisco diz: “O Senhor deu a mim, Frei Francisco, a graça de começar a fazer penitência.”

O domingo à tarde continuou muito interessante e motivador, com partilha e assessoria do que compõe o Itinerário de Formação.

Alegrou-nos a partilha das Irmãs junioristas: Regina Maria Cazaroto, Irlândia Oliveira Almeida e Edione Pereira das Mercês, que apresentaram passos de sua caminhada de formação.

Diante de tudo o que ouvimos, lemos e saboreamos neste Seminário, podemos confirmar que: “Formação é processo em construção, tecido no cotidiano, com fios multicoloridos da diversidade cultural que somos!” (IF p. 5).

Agradecemos à Coordenação Provincial pela rica oportunidade a nós oferecida. À Irmã Marlene pela partilha de sua sabedoria, esforço e gratuidade. E às Irmãs da Província pelo jeito gostoso, leve e agradável na participação deste Seminário.

“A gente pode ser muito mais feliz, seguindo o exemplo de Francisco e Clara de Assis”

Informações adicionais

  • Fonte da Notícia: Irmã Sebastiana José de Oliveira - pela irmandade