pg incial 2018

cicaf

*

Você está aqui: HomeNotíciasIrmã Cléglia Ânesi, fonte de Inspiração!
Publicado em Notícias
Escrito por  Sede Geral - Rosali Paloschi 16 Setembro 2022
Irmã Cléglia Ânesi, fonte de Inspiração!

 

Neste tempo de reorganização institucional, 

numa dinâmica sinodal, a congregação olha para o legado de Cléglia Ânesi

chama as irmãs a refazer seu próprio itinerário espiritual e missionário para melhor servir ao Reino

 No dia 18 de setembro do corrente ano celebramos 57 anos da páscoa de Irmã Cléglia Ânesi. O contexto da sua entrega total ao abraço eterno do Altíssimo está intimamente relacionado com a trajetória missionária da Congregação das Irmãs Catequistas Franciscanas. Ao revisitarmos alguns aspectos da vida e missão desta irmã, nos reportamos primeiramente ao ano de 1964. Ele é um marco em nossa história missionária. Foi o ano da chegada das primeiras irmãs da congregação em terras nordestinas: em Mundo Novo, na Bahia e em Bacabal, no Maranhão. Mais especificamente em Bacabal, as irmãs Emma Oenning, Orfélia Lodi e Maria Esther Giacomet abraçam com alegria os novos ventos que o período conciliar já apontava. Em fins de setembro de 1965 chega irmã Cléglia Ânesi para somar na missão. Assumiram o Seminário Catequético para formação bíblica e catequética de dirigentes de comunidades, catequistas e de professores da cidade e do interior. Acontecia ali uma ação inovadora da Igreja para a evangelização naquela região.

Hoje, a Igreja toda vive o desafio de retomar o caminho de uma Igreja em saída, no espírito da sinodalidade (Sínodo dos Bispos 2021-2023). E como congregação, estamos imersas no processo de reorganização institucional para melhor responder aos apelos internos e externos. A pergunta é: Que luzes as vivências daquele período inicial de missão no Nordeste com a presença de irmã Cléglia podem trazer para nossa travessia?

Um elemento significativo é o de que as irmãs não ficaram isoladas, mas participaram ativamente numa comunhão de vida e missão com o movimento franciscano local: Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora dos Anjos, Irmãs Franciscanas da Adoração Perpétua, Irmãs Catequistas Franciscanas, Frades Menores e os leigos cultivavam o bem querer e a entreajuda missionária.

A chama da fé as sustentava na nova missão. Como discípulas, mulheres de ouvidos atentos e sensíveis aos gritos da época, iluminadas pelo Evangelho, foram abrindo novos caminhos ao encontro do povo explorado mas resistente, como disse Euclides da Cunha, “o nordestino é antes de tudo, um forte”.

Neste tempo de reorganização institucional, numa dinâmica sinodal a congregação olha para o legado de Cléglia Ânesi e chama as irmãs a refazer seu próprio itinerário espiritual e missionário para melhor servir ao Reino. Seguem alguns depoimentos:

“Conheci irmã Cléglia Ânesi de ouvir falar do amor incondicional que dedicou ao povo do Maranhão. A primeira coisa que aprendi sobre ela: ‘Dou minha vida pelo povo do Maranhão’ (expressão dita por irmã Cléglia, logo após o acidente que a deixou muito fragilizada e na eminência da morte). Mais tarde, no ano 2000, quando da criação da província que recebeu o seu nome, tive a oportunidade de alargar esses conhecimentos desvelando o espírito missionário de uma mulher forte, doada, desprendida, destemida e livre. No contexto de uma Igreja da Cristandade, ela experimentou a abertura para uma Igreja Povo de Deus, com a participação e protagonismo de leigos e leigas. A ênfase na evangelização era mesmo a formação bíblico-catequética como pilares fundamentais para o processo de humanização das relações, do despertar da consciência crítica e fortalecimento das lutas populares em vista à libertação de um povo fadado a simplesmente procriar e tornar-se mão de obra barata, através do processo migratório para a produção de riquezas em empresas do sudeste e sul do Brasil.

Neste sentido, Cléglia nos inspira a dar-nos conta da necessidade de cultivar constantemente nosso aperfeiçoamento em todas as dimensões da vida para sermos mulheres livres e confiantes, em condições de contribuir para mudanças profundas por meio da educação da fé e para a cidadania. O carisma da congregação contém elementos que se contrapõe ao fascismo, autoritarismo e destruição da nossa Casa Comum. Mas é necessário usarmos os métodos adequados, de acordo com o tempo histórico e nos diferentes espaços de missão aonde estamos inseridas. Devemos estar juntas aonde seja possível fortalecer as organizações populares e eclesiais que favoreçam a vida, a construção do Reino” (Irmã Lindalva A. Cruz – Paraíba).“Na dinâmica da vida, nos anos 60, quando a Congregação abre horizontes, Cléglia Ânesi não hesita. Com muita ousadia, põe-se a caminho para uma nova missão, desta vez longe de sua terra natal.Mulher de grande espírito missionário, vai ao encontro das grandes periferias. Naquela época o Nordeste era a grande periferia do Brasil. Bacabal era uma cidade paupérrima.Percebendo a falta de professores e catequistas numa região do interior, assume a missão de formar lideranças nas comunidades. Entra numa dinâmica diferenciada, entra no campo da assessoria e articulação. Multiplica seu saber. Sua atuação no âmbito da diocese de expande.

O mesmo aconteceu no campo da educação. Logo se deu conta dos clamores dos pequeninos da região de Alto Alegre, que não tinham pão. Conta o povo que irmã Cléglia, inquieta, provocou a comunidade para que se organizasse e conquistasse um pedaço de chão a fim de construir a escola para seus filhos. A tal escola chama-se “Escola Santa Clelia”, que foi batizada assim, porque no dia em que estava a comunidade a colocar a pedra fundamental da referida escola, receberam a notícia da morte da irmã.

Hoje, em tempos de reorganização, Cléglia estaria na linha de frente, não hesitaria em defender a causa dos mais fracos, das questões ambientais e abraçar as vulnerabilidades que clamam por vida digna” (Irmã Maria das Graças Gomes – Piauí).

“Mulher sábia, que por amor, disponibilidade e ousadia respondeu ao chamado, aonde dela precisassem até dar a própria vida. Quando ouvia Irmã Verônica Feger falar sobre Irmã Cléglia, a admiração só aumentava, pois nos deixa um legado de entrega incondicional, por amor e sem medo. Estaria ela, hoje acompanhando as lives, participando dos roteiros formativos e orantes. Teria uma atitude permanente de gratidão a cada conquista e pela fidelidade ao chamado que se faz caminho, conforme diz o Apóstolo em ITs 5,18: ‘Em todas as circunstâncias dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Jesus Cristo’ (Irmã Luana O. de Souza – Piauí).   

Inspiradas pelo testemunho de Cléglia, alimentemos o verbo esperançar, pois o Senhor caminha conosco. Irmã Cléglia está intercedendo junto a Ele por nós. “Avancemos com confiança e alegria”.

Carinhoso abraço às irmãs, formandas e simpatizantes pelo compartilhamento deste mesmo projeto comum. Comunhão especial às irmãs da Província Irmã Cléglia Ânesi pela festa de sua madroeira!

Informações adicionais

  • Fonte da Notícia: Irmã Rosali Ines Paloschi pela Coordenação Geral

Comentários  

#1 Maria Fachini 17-09-2022 20:33
Fui enviada ao serviço no Seminário Catequético, 10 anos depois da morte de Irmã Cleglia. Eu a havia conhecido de vista, em Rodeio, mas no Seminário pude reconhecer seu valor, seu vigor missionário, sua firmeza como educadora, sua dedicação e fidelidade ao carisma, a dimensão de sua fé. Senti que ela vivia na alma do povo, particularmente das comunidades do interior. Nas irmãs, sobretudo na saudos Verônica Feger, pude vislumbrar a profundidade de seus conhecimentos e de sua sede de dar o melhor para contribuir na melhoria da qualidade de vida do povo maranhense, sobretudo das crianças e dos jovens.
Cleglia Anesi, intercede pela missão, pelas Irmãs e pelo povo que, hoje mais do que nunca necesita ser respeitado em sua dignidade.
Cleglia Anesi, interce por nós.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

 

Direção
Isabel do Rocio Kuss

Ana Cláudia de Carvalho Rocha

Marlene dos Santos

Rosali Ines Paloschi

Arte: Lenita Gripa

Congregação das Irmãs Catequistas Franciscanas
Rua Des. Nelson Nunes Guimarães, 346
 Bairro Atiradores - Joinville / SC – Brasil
Fone: (47) 3422 4865